Arles

Meros devaneios tolos...

Ultimamente só recebo duas coisas na minha caixa de emails: spam e boletos.

É um desperdício que esse protocolo tão importante para a construção e popularização da Internet seja tão mal utilizado.

Mas existem outras maneiras de usar seu email.

Você ficou preocupado ou sentiu alguma dificuldade pela queda dos serviços do Facebook, incluindo o Whatsapp, na última segunda(04)?

Você tem receio de ter seus dados usados contra você por empresas como Facebook ou mesmo o Telegram?

E que tal juntar email (de preferência de um servidor/provedor de sua confiança) com o cliente livre do Telegram (os servidores do Telegram são fechados, mas o cliente é software livre) e ter um serviço de mensagens funcional e sob seu controle?

Pois bem, isso existe! Se chama https://delta.chat e você pode baixar para a maioria dos sistemas, incluindo os móveis.

É bem parecido com o Telegram (o cliente é o mesmo), mas você tem o servidor (de emails) sob seu controle.

Fica aí a dica!

O Telegram terá postagens de propaganda em canais.

Diferentemente da maioria das empresas de redes sociais digitais, no entanto, a Plataforma afirma que não usará dados de usuários para direcionar propaganda.

Os anúncios aparecerão para todos os inscritos num determinado canal da mesma forma e os anunciantes poderão escolher os canais aos quais querem sua marca associada.

É um conceito diferente do que temos na maioria das plataformas de ads hoje, onde as propagandas são direcionadas ao usuário, a partir de seu perfil feito com a coleta de seus dados pessoais. O Telegram aposta em algo mais parecido com a propaganda por contexto, no lugar da de por perfil de usuário.

A ver...

Mais aqui e aqui.

Mais 70 milhões de usuários de Telegram em apenas um dia! Uau!

Com a queda do Whatsapp na segunda feira, milhões de pessoas e empresas entraram no Telegram.

Se vão permanecer são outros 500.

No Brasil, antes do fato, 53% dos usuários de smartphones já tinham o app instalado.

É importante para a democratização do ciberespaço que tenhamos mais concorrência e descentralidade. E este é um fato super positivo!

Mas a entrada definitiva do Telegram como um player traz desafios.

Venho falando isso, pelo menos, desde Janeiro de 2020. Você pode ver meus devaneios sobre o tema aqui e aqui.

grafo

O escândalo #PandoraPapers está em alta no Twitter brasileiro hoje.

No centro do escândalo aqui no Brasil o ministro da economia do governo de Jair Bolsonaro, Paulo Guedes.

Você já deve ter visto esses grafos coloridos de análise de redes por aí.

Mas você já os viu se formando?

O que temos nesses dois links que seguem é a formação de uma rede de retweets para uma amostra sobre “Paulo Guedes”.

O primeiro é a rede, com nós (que aqui representam os usuários) e arestas (as ligações entre esses usuários por retweet). O segundo mostra apenas os nós.

Rede –> https://dash.arles.red/sgrafos/pgnet.html

Nós –> https://dash.arles.red/sgrafos/pgnodes.html

Clique em iniciar para ver a animação, ok?

Primeiro devaneio do dia tem a ver com os recentes anúncios de plataformas de games lançadas pelas Big Tech.

Essa matéria aqui traz coisas interessantes sobre esse mercado, mas eu queria me ater à questão dos dados.

O negócio das Big Tech são dados e isso não é novidade.

Os games têm em seu sentido primeiro a interação do usuário e, com isso, se consegue um aprofundamento da captura de dados que os serviços de áudio e vídeo não conseguem.

Manetes e outros dispositivos de entrada são quase, quando não são, vestíveis, o que possibilita a captura de dados até biométricos com precisão.

Enfim...

Sorria, você está sendo vigiado até em seus momentos de diversão.

gamb

Dando seguimento à gambiarra:

De ontem pra hoje algumas evoluções que não são muito perceptíveis no frontend:

  • Agora o dashboard é alimentado por um banco de dados (PostgreSQL) e atualiza a cada duas horas sem intervenção humana.

  • Algumas mudanças no código, principalmente na questão das datas, que precisam ser convertidas de UNIX Time para o padrão de data e hora legível por humanos.

Link da aplicação: https://arles.shinyapps.io/midia/

Pesquisa

Estou fazendo uma pesquisa nas redes por indicações de canais aqui do Telegram que as pessoas gostariam de ver monitorados.

O link para o formulário é este aqui: https://anjos.red/index.php/apps/forms/yiRS9kTn6o4djtS6

As respostas são anônimas.

Opa, tô sumido, mas gostaria de deixar aqui o resultado parcial de uns estudos que estou fazendo com o pacote {echars4r} para a plotagem de gráficos e grafos com a linguagem de programação R.

Outra parte dessa “novidade” é que estou usando dados de canais aqui do Telegram.

Em tese, conseguimos pegar dados de qualquer canal do Telegram. Estou usando para fins desse estudo alguns canais de mídia.

Aqui o link para o dashboard com os resultados, atualizados até hoje cedo: (https://arles.shinyapps.io/midia/)

PS: pode ser que demore um pouco para abrir pois estou usando um servidor gratuito e, portanto, pouco “potente” para hospedar a solução.

Original

Ando entretido com um brinquedo novo: os dados do Telegram.

É possível, com poucas linhas de código ter, por exemplo, acesso a todo histórico de mensagens e ações de canais e grupos públicos.

O Telegram tem uma API aberta. Ao mesmo tempo em que isso garante possibilidade de auditoria da Plataforma, garante também maior automação, que nesses tempos sombrios tem servido à desinformação.

Diferentemente de outras grandes plataformas, o Telegram não tem representação no Brasil e seus donos parecem pouco dispostos a cooperar com as autoridades brasileiras. Enquanto era uma plataforma pequena isso não se configurava um grande problema, mas diante do crescimento diário do Telegram, as autoridades brasileiras começam a se preocupar.

Só espero que isso não termine na suspensão da Plataforma, como o Judiciário e outras esferas do poder tentaram com outras plataformas em outros momentos.

É na criatividade e na possibilidade de auditoria/automação que está a chave para tentar evitar que a Plataforma seja usada para a desinformação e para o enfraquecimento democrático.

O Twitter, ao que tudo indica, está fazendo algumas mudanças na plataforma:

  • Suspendeu algumas contas antes do 7 de Setembro (o motivo alegado, como sempre, é infração às políticas da comunidade. Sei de alguns casos onde a acusação, principalmente de spam, é injusta. Já outros, apesar da choradeira, são genuínos);
  • Alguma coisa parece que mudou no algoritmo dos Trending Topics. No mesmo 7 de Setembro foi possível notar, pelo menos a olho nu, que alguns termos com forte suspeita de automação tiveram mais dificuldade de sobressair;
  • Finalmente anunciou o tão esperado selinho para “bots do bem”. Isso é importante pois, com essa medida, pode-se avançar na detecção e remoção de bots não-éticos. Uma das alegações para não se tomar medidas mais duras contra automação na Plataforma era a de que bots, em si, não são vilões.

Esses são alguns sinais de qua a Plataforma pode estar mudando suas diretrizes para contas automatizadas. Só saberemos se dará certo com o tempo. A princípio acho que teve um erro de timing dependendo do alvo a ser atingido. Se for para conter tal tipo de automação no próximo ano, por exemplo, pode ser que o tempo da medida esteja errado, já que dará tempo para adaptações por parte dos que usam de tais expedientes.

FLOPOU! HAHAHAHAHAHA